LogoCitolab
×


Nosso Blog

Adenocarcinoma de cérvix relacionado ao HPV (tipo usual)

17/09/2019 Adenocarcinoma de cérvix relacionado ao HPV (tipo usual)
  • Paciente feminina, com 40 anos queixa-se de sangramento persistente, via vaginal, fora do período menstrual. Ao exame físico hígida, exame colposcópico com área acetobranca em JEC, adentrando o canal. Realizada biópsia.
  • Aspecto microscópico ilustrado abaixo:

    

    

    

    

    

Adenocarcinoma de cérvix relacionado ao HPV (tipo usual)

Definição

5 - 15% dos carcinomas cervicais invasivos.

Segundo carcinoma cervical mais frequente após carcinoma espinocelular (Curr Oncol Rep 2014; 16: 416)

Maior frequência em mulheres jovens (Cancer 2004; 100: 1035)

30% - 50% de falsos negativos por citologia

Frequentemente sangramento vaginal, dor pélvica

Espalha-se primeiro nas estruturas pélvicas, depois nos linfonodos pélvicos; metástases nos ovários, abdome superior, órgãos distantes.

Fatores de mau prognóstico: estágio alto (incluindo profundidade> 5 mm, invasão angiolinfática, alto grau ; padrão destrutivo de invasão estromal. 

Classificação

Classificação baseada em padrões (sistema Silva):

O sistema de classificação baseado no padrão, em vez do tamanho ou grau do componente invasivo, foi proposto por Silva (Int J Gynecol Pathol 2013; 32: 592, Am J Surg Pathol 2015; 39: 667).

Os tumores com um padrão não destrutivo de invasão (padrão A) estão associados a uma taxa de 0% de metástases linfonodais, enquanto os padrões destrutivos focais (B) e difusamente (C) apresentam taxas de envolvimento nodal de 4% e 23%, respectivamente. 

Da mesma forma, os tumores padrão A apresentaram 0% de recorrência e 0% de mortalidade, em comparação com os tumores padrão B (1,2% e 0%, respectivamente) e os tumores padrão C (22,1% e 8,8%, respectivamente).

Tratamento

Os tumores em estágio I são tratados com cirurgia (histerectomia simples / radical ou traquelectomia radical mais linfadenectomia regional) e radioterapia adjuvante, cisplatina ou outra quimioterapia se houver características adversas (invasão profunda, invasão extensa do espaço linfovascular, margens positivas, metástases linfonodais) (Curr Opções de tratamento Oncol 2004; 5: 119)

Os tumores em estágio avançado (II - IV) recebem radioterapia direta, cisplatina ou outra quimioterapia

Menos responsivo à quimiorradioterapia que o carcinoma espinocelular (Oncol Lett 2015; 9: 2791)

Descrição macroscópica

Tumores superficialmente invasivos são microscópicos

Quando visível (> estágio IB por definição), a lesão pode ser exofítica ou plana / placa, geralmente ulcerada

Descrição microscópica

O diagnóstico de invasão por adenocarcinoma endocervical é baseado nos seguintes aspectos:

Infiltração estromal na forma de:

Confluência glandular marcada com arquitetura cribriforme ou microacinar

Glândulas de forma irregular, anguladas ou fragmentadas com reação estromal desmoplásica adjacente

Clusters de células tumorais ou células individuais

Grau tumoral de adenocarcinoma (para adenocarcinoma do tipo usual):

Grau 1: bem diferenciado (10% ou menos de crescimento sólido, figuras mitóticas pouco frequentes

Grau 2: moderadamente diferenciado (11% a 50% de crescimento sólido); mitoses mais frequentes

Grau 3: pouco diferenciado (mais de 50% de crescimento sólido); as mitoses são abundantes com formas anormais; desmoplasia acentuada; necrose é comum.

Classificação tumoral baseada no padrão de invasão estromal (classificação baseada no padrão, sistema Silva)

O sistema classifica os tumores em três categorias, da seguinte maneira:

Padrão A: Glândulas bem demarcadas com contornos arredondados, frequentemente formando grupos. Nenhuma invasão estromal destrutiva. Não há células isoladas ou descolamento de células. Sem invasão linfovascular. Crescimento intraglandular complexo aceitável (isto é, cribriforme, papila). Falta de crescimento sólido (ou seja, arquitetura bem moderadamente diferenciada). Profundidade do tumor ou relação com grandes vasos cervicais não é relevante.

Padrão B: Invasão estromal destrutiva localizada (limitada, precoce) decorrente das glândulas padrão A (glândulas bem demarcadas). Grupos individuais ou pequenos de células tumorais, separadas da glândula arredondada, geralmente em um estroma focalmente desmoplásico ou inflamado. Os focos podem ser únicos, múltiplos ou lineares na base do tumor. Invasão linfovascular +/-. Falta de crescimento sólido (ou seja, arquitetonicamente bem moderadamente diferenciado).

Padrão C: Invasão destrutiva difusa, caracterizada por: Glândulas difusamente infiltrativas com resposta desmoplásica extensa associada. Glândulas frequentemente anguladas ou com padrão canalicular, com glândulas abertas intercaladas. Crescimento de confluentes preenchendo um campo 4X (5 mm): glândulas, papilas (estroma apenas nas papilas) ou lagos de mucina. Componente sólido e pouco diferenciado (alto nível arquitetural); o grau nuclear é desconsiderado. Invasão linfovascular, + / -.

Tipos histológicos de adenocarcinoma endocervical relacionado ao HPV:

  • Adenocarcinoma mucinoso endocervical (usual): representa 70% - 90% de todos os adenocarcinomas. Suas características morfológicas usuais são:

o Citoplasma mucinoso variável com coloração semelhante às glândulas endocervicais normais, geralmente o citoplasma é menos mucinoso em comparação com o normal (“mucina empobrecida”)

o As células têm forma colunar; os núcleos são alongados e aumentados, são hipercromáticos com cromatina grosseira.

o Perda de polaridade e sobreposição nuclear

o Atividade mitótica acelerada; figuras mitóticas são geralmente apicais

  • Endometrioide: morfologicamente semelhante ao adenocarcinoma endometrioide endometrial

o Epitélio glandular tem forma colunar e núcleos redondos com cromatina aberta ou levemente grosseira.

o Diferenciação escamosa ou secretora pode ser vista

o Os carcinomas endometrioides endocervicais primários são secundários à infecção pelo HPV de alto risco e superexpressam p16

  • Intestinal (célula caliciforme): carcinoma mucinoso moderadamente diferenciado.
  • intestinal, células caliciformes e (ocasionalmente) células Paneth (Arch Pathol Lab Med 1990; 114: 731)
  • Microcístico: Forma muito rara composta por cistos revestidos por adenocarcinoma endocervical convencional (tipo usual)
  • Forrado por epitélio plano a baixo cuboidal a pseudoestratificado
  • A mucina luminal é comum, lembra o conteúdo dos túbulos mesonéfricos
  • Estroma desmoplásico variável

Imuno-histoquímica

  • p16: Com expressão em mais de 95% dos casos
  • CEA: Positivo em 100%
  • RE e PR: Sem expressão ou fraco em até 20%
  • Vimentina: Sem expressão

Genotipagem

  • Associado ao HPV16 e HPV18 em 85% - 95% dos casos (Am J Clin Pathol 1996;106:52).

Galeria de fotos

Adenocarcinoma de cérvix relacionado ao HPV (tipo usual)
Adenocarcinoma de cérvix relacionado ao HPV (tipo usual)
Adenocarcinoma de cérvix relacionado ao HPV (tipo usual)
Adenocarcinoma de cérvix relacionado ao HPV (tipo usual)
Adenocarcinoma de cérvix relacionado ao HPV (tipo usual)
Comentar


Outras notícias
Lesão vulvar em gestante de 29 anos

B.D.S., feminino, 29 anos, apresenta múltiplas lesões em placa, esbranquiçadas em vulva, 0,5 cm, indolores, realizada biópsia.

Leia +
Tumor do estroma mamário em paciente de 62 anos.

Este tipo de tumor representa apenas 1% dos tumores da mama.

Acomete mulheres com idade média de 45 anos e é raro em crianças ou homens.

Leia +
Painel DST (IST) - Tranquilidade total para você e seu paciente

Infecções sexualmente transmissíveis - Agora é possível detectar, de uma única vez, seis diferentes patógenos com o Painel DST/IST.

Leia +
whatsapp Citolab