LogoCitolab
×


Nosso Blog

Patologia revela interseção de arte e medicina

07/05/2019 Patologia revela interseção de arte e medicina

Quando o patologista Josh Sickel, biólogo de Boston, 78, olha pelo microscópio, ele vê a arte. Para ele, padrões de células mutadas são semelhantes a composições em tela.

No exame de uma biópsia, diz Sickel, ele faz um diagnóstico que se torna a base do tratamento. “Isso tem um impacto significativo e que altera a vida de um paciente, é algo tão sério. No entanto, quando você olha apenas as imagens, elas são esteticamente muito bonitas”.

Ele compara a experiência a visitar uma galeria de arte. "É mágico e misterioso poder olhar para uma lâmina. Eu posso literalmente dizer-lhe como este paciente vai responder à quimioterapia ou se é algo para o qual devemos dar antibióticos. É milagroso olhar fotos e poder fazer previsões poderosas.”

Sickel fundou o Programa de Artes Curativas do El Camino Hospital em Mountain View, Califórnia, em 2002. É claro que o seu foco é a doença, mas ele também está interessado no poder da arte, música e riso como terapia para aliviar a dor. Empenhado em tornar a patologia menos esotérica e mais acessível a pessoas que não são médicas, Sickel faz palestras regulares para grupos comunitários na esperança de derrubar barreiras entre médico e paciente. Ele usa imagens para ilustrar essas questões: como a arte pode dar sentido à ciência e por que escolhemos desviar o olhar - ou mais de perto?

Os patologistas usam analogias e metáforas para ajudá-los a lembrar os padrões das amostras. Sickel diz que o público fica atordoado quando justapõe uma imagem de "Noite Estrelada" de Van Gogh com a de linfócitos malignos pontuados por macrófagos fagocitários, que engolem células tumorais moribundas.

Os padrões são surpreendentemente semelhantes, com os macrófagos imitando as estrelas de Van Gogh e os linfócitos, seu céu em espiral.

A astronomia inspira outra analogia. “Quando você é criança, o céu da noite parece o mesmo. Mas então alguém aponta três estrelas seguidas e diz que é o cinturão do Orion. ”A patologia, diz ele, é muito semelhante. Você escolhe padrões e nomeia-os. O domínio vem com a prática, assim como aprender a escolher uma constelação em uma noite estrelada.

O background de Sickel influenciou claramente a maneira como ele vê. Seu pai era psiquiatra e sua mãe era docente na National Gallery of Art. Quando criança, seu jogo favorito era o "Encontre o Objeto Oculto" da revista Highlights, que ele acredita ter ajudado a treinar seus olhos para fazer diagnósticos precisos. Quando ele estava no ensino médio, sua mãe o encorajou a aprender sobre arte. Um dia, enquanto folheava um livro de mesa de café sobre arte moderna, descobriu que era muito bom em lembrar os estilos de pintura, o que lhe permitiu identificar o artista.

“Eu olhava para cada foto e me perguntava: Matisse, em seguida; Renoir, a seguir; e assim por diante. E então eu voltaria vários dias depois e testaria a mim mesmo. Acho que preparei meu córtex visual para ser realmente bom em reconhecimento de padrões. ”

Sickel se formou na faculdade de medicina da Universidade de Maryland-Baltimore em 1984 e completou uma residência de patologia de quatro anos na Universidade de Rochester e uma bolsa de estudos de um ano na Universidade de Stanford.

"Fui para a faculdade de medicina pela mesma razão que muitas pessoas fazem: somos fascinados por como o corpo funciona, como e por que ficamos doentes e o desejo de ajudar as pessoas a se curarem", diz ele.

"Para ser um patologista", ele admite, "ajuda a ter uma imaginação vívida". Sickel tenta reconciliar o paradoxo inerente: que algo pode ser tão belo e tão trágico ao mesmo tempo.

“Autores, dramaturgos, poetas e artistas lidam com isso o tempo todo”, diz ele.

 

 

 

Galeria de fotos

Patologia revela interseção de arte e medicina
Patologia revela interseção de arte e medicina
Comentar


Outras notícias
Lesão vulvar em gestante de 29 anos

B.D.S., feminino, 29 anos, apresenta múltiplas lesões em placa, esbranquiçadas em vulva, 0,5 cm, indolores, realizada biópsia.

Leia +
Painel DST (IST)

Infecções sexualmente transmissíveis - Agora é possível detectar, de uma única vez, seis diferentes patógenos com o Painel DST/IST.

Leia +
PHI - Índice de Saúde prostática. Quando biopsiar?

Não decida sozinho.

Procedimento não invasivo.

Evite biópsia negativas.

Leia +
whatsapp Citolab